Sobre o Karama

A organização não governamental Karama (dignidade, em árabe) surgiu em 2002, situada no Campo de Refugiados de Duheisha, em Belém, na Cisjordânia. A organização trabalha independentemente e não é afiliada a nenhum movimento ou partido político.

Desde o irrompimento da Segunda Intifada em Setembro de 2000, os habitantes do campo estão cercados por um ambiente de violência, devastação, pobreza, ódio e desespero. A economia palestina, que já sofria gravemente pelos contínuos bloqueios de estradas, restrições e toques de recolher, piorou consideravelmente depois da Segunda Intifada. Como resultado, Israel adotou uma política de eliminação de potenciais inimigos do estado, matando milhares de civis inocentes e destruindo seus lares. Os habitantes do campo sofrem uma punição coletiva que se manifesta em diversas formas, como perseguição e duros interrogatórios nos postos de controle, tornando a vida diária insuportável. Algumas das consequências são desemprego, perda de negócios e impossibilidade de sustentar as famílias.

A ocupação teve um impacto negativo sobre a vida de cada palestino, especialmente sobre as crianças, que sofrem alguns dos piores efeitos. Elas perderam sentimentos de esperança, felicidade e paz. Além disso, tendo sido confiadas em seus espaços pequenos nas ruas de Duheisha, estas crianças não tiveram espaço para diversão e cresceram sem poder desfrutar de jardins, parquinhos, bibliotecas e centros juvenis.

Nestas circunstâncias adversas, o Centro Karama no campo de Refugiados de Duheisha é considerado um oásis que oferece um refúgio seguro para mulheres, crianças e adolescentes, oferecendo-lhes apoio e serviços para que eles tenham sucesso em diversas áreas. Desde aconselhamento e educação até expressão e conscientização cultural.

O Centro Karama está aberto sete dias por semana das 9 da manhã às 7 da noite, às vezes até mais tarde. O objetivo é estimular jovens e trabalhar com adolescentes. Eles são encorajados a discutir temas que envolvem direitos humanos, liberdade, diversidade e liderança. Aproximadamente sessenta crianças vêm todos os dias ao Karama para participar de atividades, jogos e oficinas de sua escolha. Voluntários e tutores estão presentes para guiar os participantes e dar-lhes direcionamento.

Estas atividades estão, no entanto, limitadas pela falta de fundos e espaço adequado. Os funcionários têm muitas vezes de cortar despesas básicas devido à falta de dinheiro. Dentro de nosso prédio existem dois pequenos escritórios de administração e três salas em que vários projetos ocorrem simultaneamente.